24/02/2005

sopro de aguas

de memoria de homem ninguem se lembra de quantos kilowatts produz a barragem do Cunene. Os crocodilos sao ali tantos e tao maus que e impossivel voltar a medir este parametro. Portanto, dizem as mas linguas que o Rio Cunene desagua no Atlantico. Em grandes prantos... Pois, pois. Temos de repor a verdade. Nada vale mentir.

15:54 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

18/02/2005

desculpas

Joaquim Chissano afirmou:
 
África funcionou durante três séculos consecutivos como uma imensa reserva de mão-de-obra para a economia mundial", salienta, esti! mando que o impacto deste "negócio ignóbil" sobre a população local terá afectado "mais de 50 milhões de pessoas", a maioria delas jovens e economicamente activas.

Para que os danos causados pela escravatura possam ser minorados, o ex-Presidente moçambicano exige um pedido de desculpa oficial não só por parte do governo português mas também dos restantes países que o fundador da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) considera terem usado o trabalho escravo.

23:05 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

enquanto hà força

esperança.
ter de aceitar porque amanha serà feito de promessas.
nem de ontem o sol nasce porque sera que amanha ele verà o dia?
 
esquecer. perdoar.
mas enfrentar assim sem mêdos nem obediencias.
caminhar em frente, cabeça erguida, olhar altivo.

22:45 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

esperas

Os africanos precisam de tonus. Ver un chef de Estado - en l'ocurrence Kabila himself - ser tratado como um simples bastardo com origens duvidosas e isto por um reponsavel dum estado "amigo" como a Bélgica... Se os africanos aceitam estes descalabros que continuam de revelar a mentalidade post-colonial destes ministros sem vergonha, onde vamos parar?
Se os africanos querem adquirir um minimo de respeito na cena politica internacional devem exigir que os politicos sobretudos brancos ex-coloniais respeitem as regras de boa convivência. Se um ministro congolês dissesse que o Senhor Santana Lopes era talvez filho do carteiro e nao do seu pai, teriamos certamente um conflito internacional. Mas quando Karl de Gucht Ministro dos Negocios Estrangeiros da Belgica diz que Kabila é filho ilegitimo do rei Leopold... enfim, desculpem o homem porque ele nao sabe o que faz...
 
Mas uma unica coisa é certa : enquanto os africanos engolirem estes descalabros, isso sim, a Africa sera sempre uma terra de pretos.
Felizmente que todos sabemos que o odio é negro.

22:40 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (1) |  Facebook |

10/02/2005

Kitandeiras

na minha terra havia quitandeiras e piteiras.
na minha terra encarnada de rubras acacias o sombreiro dominava tudo. O dia, a noite, a praia morena e o poente. Porque do sombreiro nem o sol se lembrava de deitar. Apenas o ruido surdo do mar na praia aberta. Apenas o sal marinho nas salinas da Baia Farta.
na terra do poente a ponte do Cavaco apodrecia sem queixas.
Apenas as quitandeiras descaradas afrontavam o sol despudorado.
E nas rebitas do Bairro do Benfica as mulatinhas afiadas, languidas, puxavam os ritmos da noite nas cubatas escuras.

22:09 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

08/02/2005

muxima

nas ruas de Luanda o cheiro a peixe seco chegou à Vila Alice.
O machimbombo cheio virou à direita para o mercado enquanto o engraxador continuava sereno e assobiando a esfregar o sapato negro do branco.
 
- Onde tens andado, menina?
- Eu? sempre na mesma senhor. Colhendo amores pela rua abaixo, correndo dividas pela rua acima.
 
E a menina virou-lhe as costas e mostrou o corpo altivo, curvando musculos e sangue.
 
 









01:12 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

03/02/2005

tsou na mi ré do

Bon pronto, o tsunami não sabes o que é? claro, mesmo en Angola toda a gente sabe o que é o tsunami... Um marmoto. Qual marmota... Un tremor de terra no mar... bon, lembras-te de 1715? Qual revolução francesa... O terramoto de lIsboa! Era um tsunami ume marmoto. Pois estàs a ver? O mar a mexer na areia, e as ondas, as ondas cheis de furia, devastando quintais de fazendeiros, prédios de comerciantes atrazados nos impostos, e outros affairistas. Como? Algumas crianças? Sim, mas so 1,2 por cento o que é estatisticamente negiljàvel a titulo de recenseamento autonomo. Vejamos a margen do coeficiente de StanfordOnRocks : se o coeficiente é inferior a 4 pois então é que a normalidade foi ultrapassada.

De forma que o que conta hoje é o milho. O bagaço. A tuna. O pognon. O dolare.

200 mil milhoes de bilions de kuanzas... éh pà, quantos angolanos não iriam comer com este dinheiro todo? O qué? Os angolanos também deram dinheiro para os tailandeses?
Poxa, não me lixes... Os angolanos nem têm dinheiro para comprar mandioca...
 
Bom, tà bem o tsunami é melhor que os relity shows brsileiros que sempre falam das mesmas lengalengas... Pois então vamos ao tsunami en one-show.
 
Bon, e o vento? depois do mar...

01:53 Écrit par Kavimbi | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |